As indenizações do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT), serão pagas através de um aplicativo. A Caixa Econômica Federal, que assumiu em 2021 a gestão dos recursos e pagamentos das indenizações do DPVAT, criou um aplicativo de celular para que os segurados possam dar entrada nos pedidos.

As vítimas de acidentes de trânsito ou seus beneficiários poderão fazer o pedido de indenização por morte, invalidez permanente ou reembolso de despesas médicas pelo app, que possibilita o envio de documentos e o acompanhamento da solicitação.

Quem tem direito ao seguro DPVAT? 

Qualquer vítima de acidente de trânsito envolvendo veículos, como os carros, motos, ônibus e caminhões, sejam motoristas, passageiros ou pedestres. As indenizações são pagas independentemente dos culpados e do reconhecimento do veículo.

São cobertos casos de morte, invalidez permanente total ou parcial, e reembolso de despesas médicas e hospitalares da rede privada por danos físicos causados pelos acidentes de trânsito. 

QUAL O VALOR DAS INDENIZAÇÕES?

R$ 13.500 em caso de morte;

Até R$ 13.500 em caso de invalidez, variando conforme a lesão da vítima, 100% para total; 75% para as perdas de repercussão intensa; 50% para as de média repercussão; 25% para as de leve repercussão;

Até R $2.700, considerando os valores gastos pela vítima em seu tratamento.

Em 2020, o Governo do Paraná garantiu 12 novas obras para rodovias estaduais, por meio de parceria do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Elas integram o Programa Estratégico de Infraestrutura e Logística de Transportes do Paraná e são financiadas pelo banco.

Seis já estão com contrato assinado. Outras seis tiveram a licitação publicada e os contratos deverão ser assinados no primeiro trimestre de 2021. As 12 obras, somadas, representam um investimento de R$ 409,8 milhões.

Os seis novos contratos assinados são para a construção do Contorno Norte de Castro; do Contorno Sul de Wenceslau Braz e da ponte sobre o Rio Chopin, na PR-912, e para correção de pontos críticos nas rodovias PR-650; PR-484 e PR-562. Destas, a construção da ponte sobre o Rio Chopin já está em andamento e as outras obras devem começar no início de 2021.

As obras licitadas durante o ano e cujos contratos deverão ser assinados no início de 2021 são: pavimentação da PR-160 entre Imbaú e Reserva; duplicação da PR-323 entre Doutor Camargo e a variante do Rio Ivaí; duplicação da PR-323 no perímetro urbano de Umuarama; duplicação da PR-092, em Siqueira Campos; implementação de terceiras faixas na PR-280, na região Oeste; e correção de pontos críticos da PR-151 entre Ribeirão Claro e Carlópolis.

Além das 12 novas obras, o programa avançou no andamento das cinco que já haviam iniciado entre 2018 e 2019: pavimentação da PR-912 entre Coronel Domingos Soares e Palmas; pavimentação da PR-364, entre São Mateus do Sul e Irati; implementação do acesso ao Contorno Norte de Castro, na PR-090; duplicação da PR-323, entre Paiçandu e Doutor Camargo; e duplicação da PR-445 entre Londrina e Irerê.

Investimentos

Secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, pontuou que o investimento de mais de R$ 400 milhões assegurado em 2020 significa um compromisso da administração estadual com a modernização da infraestrutura paranaense. “Empregar recursos em obras rodoviárias no presente é a garantia para atrairmos investimentos que no futuro irão gerar emprego e renda a todo Paraná”, disse.

O secretário ainda destacou a agilidade nos trâmites internos do DER/PR para garantir que esses recursos assegurados pelo BID assistam as regiões que mais precisam. “O plano de trabalho do Programa Estratégico já levou asfalto pela primeira vez a rodovias do Interior do Estado e, agora, estamos garantindo a correção de pontos críticos em importantes rodovias, a implementação de contornos e a ampliação da capacidade de trechos com maior tráfego”, completou Sandro Alex.

Para o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR), Fernando Furiatti, as obras contratadas em 2020 reafirmam uma nova fase dentro do órgão. “Passamos anos tendo como principais ações do governo para as rodovias as obras realizadas pelas concessionárias. Hoje, o DER/PR tem se consolidado para tocar obras nas rodovias estaduais e planejar ações de longo prazo”, disse.

Contornos

A obra do Contorno Norte de Castro vai fazer a ligação entre as rodovias PR-151 e PR-090 (Distrito Industrial I e II). Além da implantação dos pouco mais de 15 quilômetros do contorno, as intervenções contemplam a construção de duas obras de artes especiais: um viaduto sobre a PR-151 e uma ponte sobre o Rio Iapó, que corta a região. O investimento é de R$ 78,9 milhões e o contrato foi assinado no início de dezembro. As obras devem iniciar em janeiro, com previsão de término para novembro de 2022.

O Contorno Sul de Wenceslau Braz consiste na pavimentação de um trecho de aproximadamente três quilômetros conhecido como “desvio do casarão”, que liga as rodovias PR-092 e PR-422. O investimento é de pouco mais de R$ 9 milhões e a obra deve começar no início de 2021. O projeto prevê a implantação de uma pista simples pavimentada com acostamentos, além de duas interseções em nível nas extremidades do trecho.

Pontos críticos

Foram três obras para a correção de pontos críticos contratadas em 2020. Na PR-650, o trecho que passará por intervenções fica entre os municípios de Godoy Moreira e São João do Ivaí, no Noroeste do Estado. A região tem sofrido com alagamentos em períodos de chuva e as intervenções vão contemplar seis pontos da rodovia.

Entre outras melhorias, serão executadas obras de terraplenagem, drenagem superficial, alteamento (elevação de pontos da rodovia) e uma nova ponte sobre o Rio Bananeira, que corta a região. O investimento é de R$ 15,5 milhões e os trabalhos devem começar no início de 2021.

Na PR-484, a obra irá corrigir a geometria de um trecho conhecido como “curva do boi”, que fica entre o município de Boa Vista da Aparecida e o distrito de Alto Alegre do Iguaçu, na região Oeste. As intervenções estão no quilômetro 107 e consistem na alteração do traçado da pista, reduzindo o número de curvas horizontais de cinco para três, o que melhora as condições de segurança. O investimento nessa obra é de R$ 1,8 milhão e os trabalhos devem iniciar no primeiro trimestre de 2021.

Também na região Oeste foi assinado o contrato para obra de correção de pontos críticos da “Serra de São Braz”, que fica na PR-562, entre Coronel Vivida e Vista Alegre. A área está localizada entre os quilômetros 59 e 63 da rodovia. Além da redução das curvas acentuadas, está prevista a inclusão de faixas adicionais para aumentar a capacidade de tráfego e melhorar as condições de segurança da via. O custo é de R$ 5,8 milhões e a obra deve iniciar também no primeiro trimestre de 2021.

Além das três obras já contratadas, foi publicada a licitação da correção de curva na PR-151, no trecho entre Ribeirão Claro e Carlópolis. O segmento que passará por intervenções fica no quilômetro 24 da rodovia, onde deverá ser corrigida a geometria da curva e serão realizadas melhorias na interseção de acesso à Cachoeira do Espírito Santo. O valor estimado da intervenção é de R$ 4,1 milhões e este contrato deve ser assinado no próximo mês de fevereiro.

Duplicação

Na PR-323, um dos trechos que será duplicado vai do município de Doutor Camargo até aproximadamente um quilômetro antes da margem do Rio Ivaí. O trecho tem 6,3 quilômetros de extensão e estão previstos, além da duplicação, implementação de interseção em desnível, vias marginais, acostamentos e passeios. O investimento é de R$ 38,3 milhões e o contrato com a empresa vencedora deverá ser assinado no mês de fevereiro.

Também na PR-323, mas no perímetro urbano de Umuarama, um trecho de aproximadamente 4,4 quilômetros será duplicado. O segmento fica entre o trevo do “Gauchão” e o entroncamento com a PR-468, que dá acesso à Mariluz.

Estão previstas construções de vias marginais nos dois sentidos e duas interseções em desnível: uma em cada entroncamento do trecho. Esta licitação foi publicada no último mês de novembro e o contrato deve ser assinado no primeiro trimestre de 2021. O investimento é de R$ 81,7 milhões.

Na PR-092 o trecho a ser duplicado fica no perímetro urbano de Siqueira Campos, na região Norte, entre os quilômetros 279 e 283 da rodovia. O projeto também prevê a implementação de vias marginais e de interseções para acesso às PRs-424 e 272 e ao bairro Saltinho, em Siqueira Campos. O contrato com a vencedora da licitação deve ser assinado no mês de fevereiro e o investimento na obra é de R$ 39,7 milhões.

Terceiras faixas

Entre as publicações de licitação de 2020, está a para execução de obras de ampliação de capacidade da PRC-280, a partir da implantação de terceiras faixas no trecho que vai da divisa do Paraná com Santa Catarina até o município de Marmeleiro.

O trecho tem 130,5 quilômetros de extensão e, além da ampliação da capacidade, estão previstas melhorias na sinalização. O valor estimado das intervenções é de R$ 28 milhões, dos quais cerca de R$ 2,8 milhões serão financiados pelo BID. O contrato deve ser assinado no primeiro trimestre de 2021.

Pavimentação

Também licitada em 2020, a obra de pavimentação da PR-160 está localizada entre os municípios de Imbaú e Reserva. São pouco mais de 28 quilômetros, além da implementação de contornos em Imbaú e na comunidade de José Lacerda. O custo estimado do empreendimento é de R$ 126,2 milhões. A licitação foi publicada em novembro e a expectativa é que até março o contrato com a empresa vencedora do certame já esteja assinado.

Em andamento

As cinco obras que compõem o programa e já haviam iniciado seguiram avançando ao longo de 2020. A pavimentação da PR-912, entre Coronel Domingos Soares e Palmas, na região Oeste, está na fase final. Até o momento, pouco mais de 80% do trecho já está pavimentado. No total, são 27 quilômetros de extensão e a previsão de término da obra é para o início de 2021.

O investimento nesta pavimentação foi de R$ 59,5 milhões. É também nesse trecho que fica a obra da ponte sobre o Rio Chopim, iniciada no último mês de maio. Com um investimento de R$ 6 milhões, a ponte deve ser concluída até o final de janeiro.

Na região dos Campos Gerais, a obra de pavimentação da PR-364, entre São Mateus do Sul e Irati, também avançou durante o ano. São 47 quilômetros da rodovia que estão recebendo inédita pavimentação asfáltica, com um investimento de R$ 132,7 milhões. Até o momento, a obra apresenta 25% de andamento físico e sua conclusão está prevista para janeiro de 2022.

Também nos Campos Gerais está sendo implantada a obra de acesso ao Contorno Norte de Castro, na PR-090. A intervenção consiste na pavimentação de um trecho de 2,6 quilômetros da rodovia, que dará acesso ao futuro contorno. O investimento da pavimentação do acesso foi de R$ 14,7 milhões e a obra deve ser concluída já no próximo mês de fevereiro. No momento o avanço físico da obra é de 64%.

Além destas, outras duas obras que já estavam em andamento passaram a contar com recursos BID em abril de 2020: a duplicação da PR-445, entre Londrina e Irerê, na região Norte, e a duplicação da PR-323 entre Paiçandu e Doutor Camargo, no Noroeste do Estado. Ambas as intervenções já estão em fase final e serão concluídas até o mês de janeiro.

Fonte: FETRANSPAR

A Polícia Rodoviária Federal, em ação integrada entre a Polícia Civil do Estado de Minas Gerais, por meio da delegacia Especializada em Investigação ao furto, roubo e desvio de cargas/DEPATRI e Guarda Municipal de Indaiatuba /SP desencadearam no dia 10/12/2020 a operação denominada Hot Wheels que visa combater ORCRIM que se dedica ao cometimento de roubos de cargas nas rodovias brasileiras.

O nome da operação surgiu porque a ORCRIM praticou roubo de brinquedos “carrinhos Hot Wheels” ou “rodas quentes”; e costumam rodar muito com os caminhões e carros para praticar roubos nas rodovias que cortam os diversos estados da federação, em especial Minas Gerais e os Estados que o circundam.

Foram cumpridos 17 mandados de prisões e buscas e apreensões nos estados de São Paulo, Sergipe e Pernambuco, tendo sido presos, até o momento, 4 indivíduos, sendo 2 em São Paulo, 1 em Pernambuco e 1 na Bahia após desdobramentos.

Foram apreendidos, 1 caminhão utilizado nas práticas criminosas, 1 semirreboque, 2 jammers, vários CRLV’s, diversos aparelhos de telefonia celular e 4 máquinas de cartão de crédito.

A ação é mais um trabalho integrado entre a polícia rodoviária federal (PRF), as polícias civis de MG, BA, PE, SE, bem como com apoio da guarda municipal de Indaiatuba/SP e, em especial, o trabalho desenvolvido a cerca de 1 ano e meio com a delegacia Especializada em Investigação ao furto, roubo e desvio de cargas.

A operação ainda está em andamento.

Na hora de proteger sua carga, conte com a Global5! Entre em contato e faça já o seu orçamento.

Fonte: gov.br

O Serviço Social de Transportes (Sest) e Serviço Nacional de Aprendizagem dos Transportes (Senat) inicia hoje uma campanha nacional para alertar os caminhoneiros sobre os riscos do roubo de cargas nas rodovias do Brasil.

De acordo com dados da NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística), ocorreram, em 2019, 18.382 ocorrências de roubos de cargas no Brasil, com prejuízo de mais de R$ 1,4 bilhão, valor que não leva em consideração os traumas causados a motoristas e perdas de vidas humanas durante as ações criminosas

A ação do Sest Senat ocorre entre os dias 09 e 13 de novembro, principalmente para alertar motoristas profissionais do transporte rodoviário de cargas e caminhoneiros autônomos sobre a importância do planejamento das rotas para evitar roubo de cargas e também acidentes.

Os atendimentos irá ocorrer em mais de 350 locais, como postos de combustíveis, postos da PRF, e também em pontos de parada credenciados pelo Ministério da Infraestrutura.

Além da ação de prevenção dos roubos, serão oferecidos um circuito de saúde, com atendimentos nas especialidades de odontologia, fisioterapia, nutrição e psicologia; orientações de autoproteção e prevenção da covid-19.

Para conhecer todos os locais onde as ações estão ocorrendo acesse o link https://www.sestsenat.org.br/.

Rafael Brusque – Blog do Caminhoneiro

As coisas estão cada vez melhor – ainda bem – no mercado do transporte e, em linha com isso, as vendas de caminhões aumentaram 7,76% na comparação com setembro. A informação é da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), divulgada no último dia 4. No mês de outubro foram emplacados 7.967 caminhões em comparação com 7.393 unidades emplacadas em setembro.

Já em outubro do ano de 2019 foram registrados 9.498 caminhões vendidos. O resultado foi melhor do que o registrado em setembro deste ano, ocasionando queda de 16,12%, e já estamos cansados de saber o motivo da queda: a pandemia do coronavírus.

De qualquer forma, os números do setor são melhores que os do mercado como um todo. Entre caminhões, ônibus, implementos rodoviários, comerciais leves, automóveis e motocicletas o crescimento foi de 1,42% no mês de outubro sobre setembro. Foram emplacadas no mês passado 332.888 unidades, enquanto que em setembro a indústria automotiva emplacou 328.221 veículos.

No acumulado do ano, de janeiro a outubro, foram vendidos 2.465.396 veículos, o que representa retração de 25,74% na comparação com igual período em 2019, quando foram emplacadas 3.319.946 unidades.

“O mês de outubro é, até o momento, o que registra o recorde do ano. Isso reforça a nossa expectativa de retomada para o mercado de automóveis e comerciais leves. Notamos que os clientes estão mais confiantes e tomando a decisão de compra, que é facilitada pela maior oferta de crédito”, explica Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave.

Alarico explica ainda que o mercado de caminhões continua aquecido. Mas a falta de componentes (peças) ainda causa problemas na produção. “Estamos operando com pedidos até para abril de 2021, em alguns modelos. Com relação ao crédito, há boa oferta, com a manutenção de taxas abaixo de 1% e a aprovação é de 7 para cada 10 solicitações de financiamento”, comenta.

Fonte: Estadão

O Painel do Emprego no Transporte, uma ferramenta da CNT (Confederação Nacional do Transporte) apresenta a movimentação mensal no mercado de trabalho formal no setor de transporte e no Brasil.

Com ela é possível identificar o total de admissões e desligamentos e o saldo de vagas por estado, por região e por modal de transporte. A ferramenta também mostra quais as ocupações no setor que tiveram o maior número de contratações e de dispensas.

O painel é alimentado com informações do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e do Ministério da Economia. Ele permite observar, por exemplo, a evolução do mercado de trabalho por ocupação ou por modal do transporte.

E a boa notícia, é que em na atualização recente, referente a setembro, os gráficos mostram que foram criados 4.970 postos de trabalho no setor.

Segundo Vander Costa, presidente da CNT, o resultado confirma a tendência de retomada gradual de todas as atividades transportadoras.

“Estamos em ritmo de recuperação das perdas provocadas pela pandemia da covid-19. Ainda é um movimento lento, até porque a economia brasileira também está em processo de retomada gradual, mas estamos confiantes em recuperar os indicadores de emprego pré-crise já nos próximos meses”, comenta.

Acesse aqui o Painel do Emprego no Transporte da CNT.

Fonte: CNT Transporte Atual

A CNT, Confederação Nacional do Transporte, divulgou na última edição do informe Transporte em Movimento, algumas mudanças significativas que o surto de coronavírus proporcionou no setor do transporte. 

O ramo da logística e do transporte em geral, teve que se adaptar e mudar alguns processos em meio a pandemia. Felizmente, nem todas essas transformações são negativas.

Neste informe, a CNT mostra que as mudanças nos padrões de mobilidade urbana, de cadeias de suprimento globais e de consumo digital vêm contribuindo para consolidar um setor mais desenvolvido e com potencial mais colaborativo.

Confira o informe Transporte em Movimento na íntegra por aqui

Na publicação, a entidade destaca que o cenário atual chamou atenção para a necessidade de cadeias de suprimento globais mais ágeis, capazes de responder de forma eficiente às rápidas mudanças. Desta forma, a CNT frisa a importância da digitalização nas transações entre empresas e documentações exigidas por lei, sem aumento da burocracia.

Falando um pouco sobre e-commerce, em função do aumento do número de compras pela internet, as empresas de transporte estão operando em ritmo acelerado. Com isso, para diminuir o impacto do aumento da demanda no tempo de entrega, algumas empresas contrataram ainda mais entregadores e realizaram uma ampliação da corrida pela chamada last mile – que, em uma cadeia logística, é quando a mercadoria chega ao consumidor final.

Segundo o presidente da CNT, Vander Costa, a velocidade dessas transformações foi acelerada pela pandemia, porém, em tempos normais, o ritmo com que as exigências do mercado estão se alterando está cada vez mais intenso. “Este é o momento para aproveitarmos aquilo que foi positivo e garantir que esse ‘novo normal’ seja marcado por um sistema de transporte de qualidade, eficiente e adequado às realidades locais e por uma logística ágil e confiável. Tudo isso se reflete em ganhos para a economia e, consequentemente, para a sociedade”, comenta ele.

Fonte: Agência CNT Transporte Atual

A partir de agosto, começará a distribuição de uma nova gasolina para os motoristas brasileiros. Essa gasolina seguirá as novas especificações determinadas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), que entram em vigor em 03 de agosto deste ano.

Baseada na metodologia europeia, a nova gasolina terá mudança no padrão de octanagem para o tipo comum e do tipo premium, e também interferirá no custo final para o consumidor. No entanto, segundo a diretora da Petrobrás, Anelise Lara, o custo maior será positivo porque o veículo poderá rodar mais com menos combustível.

A nova gasolina possui algumas alterações que buscam deixar o combustível brasileiro mais próximo do que o já vendido na Europa e nos Estados Unidos, segundo alguns especialistas.

Sendo um dos parâmetros utilizados no processo destilação da gasolina, é o momento chamado de “50% dos evaporados”, em que ocorre a evaporação de 50% da massa do combustível.  Hoje em dia não existem limites mínimos para isso, apenas um máximo de 120°C para a gasolina tipo A (premium) e 80°C para a tipo C (comum). Agora, para a nova gasolina haverá um índice mínimo para a gasolina comum de 77°C.

Não há como dizer ao certo o valor que a nova gasolina custará e nem dizer com certeza o quanto ela vai gerar de economia, na prática. Segundo a Petrobras, as refinarias brasileiras têm capacidade e para realizar a produção da nova gasolina, no entanto, isso também seria um dos fatores de encarecimento dela.

Além do mais, também em nota sobre valores de barril, frete e câmbio, a Petrobras diz que a “nova formulação da gasolina permite uma redução de 4% a 6% do consumo do combustível nos motores. Esse ganho de rendimento compensa a diferença de preço da gasolina, porque o consumidor vai rodar mais quilômetros por litro. Apesar de esta gasolina ter um custo de produção maior, não é isso que determina o preço final”

Baseadas nas informações técnicas e também na fala da agência responsável, pode-se dizer que a nova gasolina tem grandes chances de: aumentar um pouco o gasto de combustível da sua frota, mas compensar com a diminuição da quantidade de paradas dos seus veículos nos postos de abastecimento.

Desde a publicação da Resolução 807/20 sobre a nova regra, pequenas mudanças já começaram a ser realizadas na nova gasolina.

Em resumo, essas mudanças não aconteceram do dia para a noite e ainda levarão certo tempo para que a gasolina atual seja completamente substituída.

Fonte: UOL Economia